ONGs causaram incêndios no Pará. Grupo do Whats marcou “dia do fogo”. Globo tenta encobrir.

 

Bolsonaro tinha razão

ONGS causaram a explosão de incêndios na Amazônia, em especial no estado do Pará, que teve um recorde histórico que afetou a imagem do Brasil no mundo.

Segundo investigação, um grupo de Whats marcou o “dia do fogo” como forma de punir Bolsonaro pelo corte de verbas para Ongs, dinheiro que deveria ser usado em hospitais e escolas.

Pelo que consta, 70 pessoas ou mais (sindicalistas, grileiros, gente de ONgs), combinaram por meio de um grupo de whatsApp para incendiar as margens da BR163, rodovia que liga essa região do Pará aos portos fluviais do Rio Tapajós e ao Estado de Mato Grosso.

 

Polícia já está investigando

A pedido do Ministério Público de Novo Progresso, o Delegado Daniel Mattos Pereira, da Polícia Civil, já ouviu algumas pessoas ligadas ao “Dia do Fogo”, porém ninguém foi preso até o momento.

O fato é que delegacias das cidades de Castelo dos Sonhos e Novo Progresso receberam muitas denúncias de produtores rurais que se dizem prejudicados pelas queimadas.

Agora, se isso ocorreu no Pará, muito possivelmente ocorreu no resto da Amazônia, que está TOMADA POR ONGs. Há mais ONGs e estrangeiros na Amazônia do que índios. 

Essa gente está revoltada, pois perderam MILHÕES, cortados por Bolsonaro.

 

Rede globo distorce entrevista para manipular o leitor

E, apesar de toda a investigação mostrar a culpa das ONGs, a reportagem da Globo tentou DISTORCER OS FATOS, mas se pode observar claramente que o entrevistado diz claramente que quem colocou fogo foi gente da ICMbio, veja:

 

– “Esse povo, se eles veem você, eles já vêm armado, já manda você parar, já toma seu celular. Você não pode fazer nada. As caminhonetes que eles andam fazendo esse terror todo, está escrito ICMbio. O presidente Bolsonaro tá certo quando diz que essas Ongs estão botando fogo,” completa ela.
– “Mas, ele andou falando também que pode ser os fazendeiros”, interrogo.
-“Não vou dizer que um ou outro não está fazendo isso, mas esse fogo que colocaram ai na beira da estrada, não é dos fazendeiros.”

 

Agora, o incrível é a “conclusão” que a Rede Globo chega:

A intenção deles era mostrar ao presidente Jair Bolsonaro que apoiam suas ideias de “afrouxar” a fiscalização do Ibama…

Certo, então ONGs que foram PREJUDICADAS por Bolsonaro atearam fogo na Amazônia para “apoiar” as idéias dele? LIXO… Merece mesmo ser chamadas de #globolixo.

ÓBVIO que os sindicalistas e turma das ONGs destruiram a Amazônia pois perderam suas mamatas, e não para “ajudar” seu inimigo número 1.

 

Estratégia perfeita

A estratégia vitimista parecia mesmo perfeita. Para combater os cortes, os bandidos ligados a ONGs e sindicalistas ateiam fogo à Amazônia, e em seguida correm para “denunciar” o governo na mídia internacional.

Ou seja, “nos dêem mais centenas de milhões, e a Amazônia deixará de ser queimada” (por eles mesmos). 

Só não contavam que seriam pego.

 

E agora, cara pálida?

Já se imaginava que esse bando de vagabundos que há décadas mama nas tetas da corrupção e vive da destruição da soberania nacional não iria aceitar perder suas ‘boquinhas’.

A esquerda já sequestrou, torturou e matou por muitos menos. Quem dirá pelas centenas de milhões de dólares que deixarão de receber?

A pergunta que fica é: o que será feito com esses criminosos?

 

 


 

IRAN PORÃ MOREIRA NECHO (15/11/1970), é católico apostólico romano, advogado formado na Universidade Mackenzie, com extensão em Samford-EUA, atuou como advogado interventor em Liquidações Extrajudiciais pelo Banco Central, foi membro do Tribunal de Ética do OAB/SP (acusação), foi membro do  Comissão de Defesa do Consumidor da OAB/SP, sócio no escritório de advocacia Moreira Necho e Santos Couto Advogados, presidente do IBRIM – Instituto Brasileiro Imobiliário e fundador do Movimento Direita Livre, em 2013.

 


 

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK: