Dória afasta diretora por chamar PM para conter violência de aluno

 

E eis que Doriana mostra novamente suas garras esquerdistas ao afastar uma diretora de escola, que se viu obrigada a chamar a PM para conter um aluno que estava completamente fora de controle e causando tumulto.

O estudante, que já havia sido expulso da unidade, e colocou os demais alunos da escola em risco. A pergunta que se faz é: e se ele tivesse um ataque e resolvesse fazer uma massacre, como já ocorreu em outros casos?

Massacre em Suzano: fatos como esse continuarão a ocorrer enquanto tivermos demagogos de esquerda na política
Massacre em Suzano: fatos como esse continuarão a ocorrer enquanto tivermos demagogos de esquerda na política

A atitude irresponsável de Doriana manda uma mensagem gravíssima a todos os diretores, que temerão perder seus empregos ao chamar a polícia, mesmo em casos extremos.

Quanto aos PMs, vimos o vídeo e a atuação dos mesmos seguiu o padrão correto, exceto tão somente por um único policial que deu um chute em um rapaz caído (um descontrole, claro, mas explicável por estarem sendo acuados por uma multidão). Portanto, apenas esse policial deveria responder administrativamente, não toda a PM, e muito menos a diretora que agiu para proteger a integridade física dos demais alunos.

O caso demonstra o eterno “duplipensar” da esquerda. Em qualquer caso irão atacar a PM repetindo o mantra de que “escola não é lugar de polícia” (claro, só de traficantes, drogados e criminosos….). Porém, se um massacre ocorrer, se um crime grave ocorrer, rapidamente dirão que a culpa é da Polícia, da falta de segurança, etc.

Falta vergonha na cara da esquerda, e Dória é apenas mais do mesmo nesse quesito. 

Imaginem, se ele age com essa covardia, com essa falta de critério em relação a um simples caso de violência numa escola, o que será capaz de fazer com a segurança nacional?

Que Deus nos livre de tamanha desgraça ! Basta de demagogia e covardia na segurança pública.

 

 


 

IRAN PORÃ MOREIRA NECHO (15/11/1970), é católico apostólico romano, advogado formado na Universidade Mackenzie, com extensão em Samford-EUA, atuou como advogado interventor em Liquidações Extrajudiciais pelo Banco Central. Junto à OAB/SP foi: a) membro do Tribunal de Ética (acusação); b) membro do Comissão de Defesa do Consumidor; c) membro da comissão de Direito Imobiliário; d) coordenador na Comissão de Relações com a Câmara Municipal de São Paulo. É sócio no escritório de advocacia Moreira Necho e Santos Couto Advogados, presidente do IBRIM – Instituto Brasileiro Imobiliário e fundador do Movimento Direita Livre, em 2013.

 


 

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK: